Publixer Magazine| Home
A morte interrompida de Saramago

A morte interrompida de Saramago

0 Comentários 🕔13.set 2017

A morte (com minúsculo), a greve e as cartas com papel violeta

 

As intermitências da morte, de José Saramago, é o tipo de livro que tem tudo para encher o saco do leitor. As frases são bem longas e os parágrafos, verdadeiros tijolaços. Mas quando bate os olhos no conteúdo a narrativa de Saramago envolve. Tem formato de fábula, mas nada garante que é uma fábula. Eis que a morte deflagra greve no país em questão. Ninguém mais morreu e um grande problema foi causado até mesmo para a igreja católica, pois sem morte não tem religião.

Foram meses sem uma só morte. Os desdobramentos não foram dos mais alvissareiros. Surgiu a maphia que assumiu a tarefa de levar os mais moribundos além da fronteira para serem enterrados, mesmo que vivos. Passados alguns meses, a morte (com minúsculo como ela fazia questão de enfatizar) decidiu que as mortes seriam anunciadas. Cada condenado recebia uma cartinha em papel violeta estipulando o prazo de uma semana para que a família se preparasse.

Até que a carta violeta retornou a cada envio a um músico, violoncelista. A morte foi atrás dele disfarçada de uma linda mulher. Saramago refletiu sobre a morte com bom humor por mais escatológico que o assunto possa parecer.

Artigos semelhantes

Cidade em Chamas

Cidade em Chamas 0

  Cidade em Chamas, de Garth Risk Hallberg, é um livro com muitas personagens que se

Livros. Preço único: 10 reais

Livros. Preço único: 10 reais 0

  Prossegue até dia 26 de junho a feira de livros com todos os títulos com preço

Redlands: 50 anos da prisão de Jagger e Richards

Redlands: 50 anos da prisão de Jagger e Richards 0

    O início dos anos 60 foram revolucionários do ponto de vista comportamental na conservadora sociedade

Quando o leitor fica com a sensação que falta a última página

Quando o leitor fica com a sensação que falta a última página 0

  O escritor Jim Thompson constrói um personagem central em seu romance policiAl 1280 Almas que prende

Quem sou Eu, A Saga da Família Fischer

Quem sou Eu, A Saga da Família Fischer 0

  O hoteleiro Klaus Fischer completa nesta terça-feira 88 anos de idade. É um dia especial

Sobre o autor

Bola Teixeira

Bola Teixeira

Jornalista, amante de blues e do bom e velho rock and roll, sediado em Balneário Camboriú - SC, mas com os olhos e ouvidos abertos para os acontecimentos do mundo.

Ver mais artigos 🌎Visitar o site Envie um e-mail

Sem comentários

Nenhum comentário.

Ninguém deixou um comentário neste artigo.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *