Publixer Magazine| Home
A ganância (imobiliária) humana

A ganância (imobiliária) humana

0 Comentários 🕔16.jul 2020

A mania de construir onde não se deve construir

 

A última vez que fui ao Uruguai e conheci boa parte do litoral até Punta, uma praia chamou minha atenção negativamente. Não recordo ao certo, mas trata-se de Aguas Dulces. Não fotografei nada, não trouxe nada de recordação porque quando me aproximei da orla vi escombros de um restaurante, parecia ser um restaurante, construído praticamente na faixa de areia. Claro que o mar pegou de volta. A ocupação do solo em algumas praias uruguaias foi assim meio esculhambada assim como o nosso litoral, também. No passeio de um dia que fiz com a família concentramos nossas atenções para a orla de Penha e Barra Velha.

Penha é uma das cidades mais lindas do estado pela sua costa bem recortada. Umas praiazinha simpáticas como Saudade e Praia Grande e outras mais isoladas como a Vermelha. Mas, por incrível que pareça, em pleno século XXI ainda há uma praia particular reinando por lá. Dizem que é de um empresário bagrão de Itajaí. Simplesmente você não tem acesso. Há um portão rodeado de mato por todos os lados. Propriedade particular.

Em Barra Velha (foto acima) é que se depara muito mais com o descaso do poder público. Entre a belíssima lagoa e o mar, a prefeitura permitiu que casas fossem levantadas na restinga praticamente na faixa de areia. Algumas estão de pé. Outras demolidas pela ação do mar. Entre a estradinha improvisada e a lagoa, uma estreita faixa de terra praticamente à margem da lagoa conta com algumas casas. Outra coisa bem estranha. Enfim…

Chegando em casa – Nos dias de hoje você tem que contar com o espião da internet, o que chamam de algoritmos. Nossas vidas não são mais privadas, então chego em casa, navego pela internet e fico sabendo que o insaciável ser humano nunca está contente com o que tem e por dinheiro faz de tudo. Recebo no celular a oferta de um apartamento num arranha-céu que será erguido quase próxima a Praia da Saudade, um refúgio de poucas casas e, me parece, muito sossegado.

Não fica por aí. Na mesma navegada fico sabendo que o outro lado da margem da lagoa de Barra Velha está toda loteada. Tipo compre seu lote e viva no paraíso, não tem?

Artigos semelhantes

“Quem anda com raposa um dia será caçado”

“Quem anda com raposa um dia será caçado” 0

  O policial federal Ivan Hadad, mais conhecido como Olodum, revelou na sua conta do Instagram

Intercâmbio de rede de pesca artesanal?

Intercâmbio de rede de pesca artesanal? 0

  Um mosaico de informações não confirmadas coloca em dúvida um acordo firmado pela prefeitura de

A baixaria no whats, o embargo, a justiça e um personagem central

A baixaria no whats, o embargo, a justiça e um personagem central 0

O caso do bate boca virtual que virou processo e um embargo como recheio. Ontem recebi

Secretária de Educação afirma que há, sim, plano

Secretária de Educação afirma que há, sim, plano 0

Rosângela Borba em foto no estúdio da Transamérica em 2017 no falecido Programa do Bola "Já

Povo de palhaço. Transporte público ameaçado de não voltar

Povo de palhaço. Transporte público ameaçado de não voltar 0

Carro importado quem anda é patrão. Bola Teixeira As próximas carreatas de importados pode ter uma nova

Sobre o autor

Bola Teixeira

Bola Teixeira

Jornalista, amante de blues e do bom e velho rock and roll, sediado em Balneário Camboriú - SC, mas com os olhos e ouvidos abertos para os acontecimentos do mundo.

Ver mais artigos 🌎Visitar o site Envie um e-mail

Sem comentários

Nenhum comentário.

Ninguém deixou um comentário neste artigo.

Deixe um comentário


Warning: Illegal string offset 'rules' in /home/storage/d/8a/f8/garfada/public_html/publixer/wp-content/themes/piccione-theme/functions/filters.php on line 157

Warning: Illegal string offset 'rules' in /home/storage/d/8a/f8/garfada/public_html/publixer/wp-content/themes/piccione-theme/functions/filters.php on line 158
<

18 − 13 =